Porque o câncer pode matar

Conforme demonstraremos no E-Book Vitamina B-17, que tratará de pontos técnicos sobre o câncer, o tumor não é o câncer, mas um paliativo que o Sistema Imunológico usa para isolar as células cancerígenas. É  necessário a ingestão de alimentos com a vitamina B17 para eliminar essas células (No E-book também mostraremos o seu mecanismo de ação).

Entretanto, principalmente em locais cuja industrialização induz à uma alimentação quase que artificial, não só o consumo necessário da Vitamina B17 não ocorrerá, como nessa alimentação estão elementos que provocam maiores danos às células.

Em outras palavras, a ausência da Vitamina B17 está diretamente proporcional à presença de elementos causadores do câncer, pois os alimentos industrializados, além de não possuírem a vitamina, possuem componentes químicos que aumentarão o número de células cancerígenas no tumor, além de poder provocar outros tumores.

A simples mudança de hábitos alimentares pode curar a maioria dos estágios do câncer.

Então, na ausência de qualquer combate às células cancerígenas (presas no tumor), elas ganham força, a tal ponto de formarem ligações do tumor com a corrente sanguínea. Neste ponto o câncer passa a se manifestar, pois a maioria destes alimentos industrializados, além de fornecer a glicose anaeróbica às células cancerígenas, fornecem um excesso de proteína, que as protegerão inclusive da Vitamina B17.

Passam a agir no corpo como bilhões de seres canibais, que se alimentam da hemoglobina, que transporta a glicose necessária à sua alimentação.

Nesse estágio, o tratamento tem que ser hospitalar, o que É PROIBIDO NO BRASIL, pois  no mundo globalizado, calcado no mercado mundial e na tecnologia, a prática da medicina passa a ser 
considerada como mercadoria, atraindo interesses econômicos para a área biomédica através da interferência do poder dominante, representado pela indústria farmacêutica. O conhecimento científico ganhou a perspectiva de impulsionar investimentos da indústria, entrelaçando geração de lucro com legitimação acadêmica. ofoco de interesse está em encontrar, a partir de uma concepção biológica, um 
produto que a evidência científica direcione para venda. Dessa forma, o conhecimento revestido de cientificidade transformou-se em argumento estratégico de marketing. Quando um médico, por mais que esteja sendo honesto com seu pronunciamento (e isso já é raridade também), determina um tipo de tratamento com base em pesquisas científicas patrocinadas por laboratórios. Assim, podemos afirmar que nesse mundo globalizado, mais de 90% das descobertas comprovadas, o foram em função de interesses financeiros da indústria farmacêutica (Veja os tópicos sobre quimioterapia, radioterapia e braquiterapia), sendo que quando uma descoberta, como é o caso da Vitamina B17, que não pode ser patenteada por ser um tratamento natural, é descartada (Veja o tópico "A inacreditável história da Vitamina B17).

Para entender como o câncer mata uma pessoa precisamos compreender que as células normais agem de forma aeróbica para produção de energia. Quando respiramos nosso sangue é bombeado para dentro de nossos pulmões, para que se encha de oxigênio, que é levado às células onde é produzido o ATP, que é a fonte de energia de tudo que fazemos. Para que tal processo ocorra, é necessário uma glicose, que quando parte dos pulmões, oxigenada, tem o nome de ribose. Esse é o processo da vida.

Quando isso ocorre as células cancerígenas se protegem na corrente sanguínea através de uma carapuça, formada de proteínas (como uma tartaruga para um exemplo ilustrativo).

Ao voltar das células para os pulmões, a ribose vem sob a forma de desoxirribose, derivada da ribose foi substituição do grupo hidroxila na posição 2 por hidrogénio, resultando na perda de uma átomo de oxigénio.

É nesse momento que as células cancerígenas atacam, para absorver essa glicose anaeróbica (sem oxigênio, que é seu motor) e o hidrogênio, que usa como combustível.

Esta página não teve a intenção de explicar o ATP (ATP é a sigla para a Adenosina Tri-Fosfato, que nos livros em português vira Tri Fosfato de Adenosina, mas todo mundo só chama de ATP. Essa molécula foi a engenhosa solução achada pela natureza e pela evolução para compor um sistema simples, rápido e robusto de trocar energia. Em qualquer situação prática, trocas de energia precisam ser feitas de forma organizada para evitar perdas. Para isso, usamos pilhas, baterias, caixas d'água, represas, fios elétricos, enfim, um monte de esquemas para organizar a produção e o transporte da energia da fonte de geração ao consumidor. Nas células, esse gerenciamento é feito com o uso do ATP), mas apenas demonstrar como age o câncer em estado avançado.

Essas informações são apenas informativas, sem que se precise entender, será claramente mostrado no E-Book Vitamina B17 que se destina a quem tem algum conhecimento médico, bioquímico ou seja da área médica, química, biológica e afins.

Na parte prática, mostraremos os procedimentos adotados pelos hospitais onde o tratamento é permitido, e sua eficácia. Um simples toque oxidativo no sangue que volta das células para os pulmões mataria as células cancerígenas, pois morreriam de fome ou pela exposição ao oxigênio (As células cancerígenas não suportam o oxigênio).


Site de inteira responsabilidade de Jorge Lopes Chinalia
Nenhum direito reservado - Livre a cópia a todos que clamam por justiça

ATENÇÃO: ESSE SITE CORRE O RISCO DE SAIR DO AR A QUALQUER INSTANTE - BAIXE TODO CONTEÚDO NO LINK ABAIXO. PUBLIQUE-O A VONTADE ONDE DESEJAR, APENAS NÃO MODIFICANDO O CONTEÚDO.


PARTE INTRODUTÓRIA
 
Início
Introdução
O que é câncer
As hipovitaminoses
Por que o câncer pode matar?
A história da Vitamina B17
 
PARTE PRÁTICA
 
Parte 1 - A Água
Parte 2 - A alimentação
Parte 3 - Alimentação obrigatória
Parte 4 - O que é proibido
Parte 5 - Suplementos necessários
Parte 6 - Atividade física
Parte 7 - Atividade Espiritual
 
BASE CIENTÍFICA
E-Book Vitamina B17
O Instituto Ernest Krebs
 



 

Compartilhe:
Compartilhar Facebook
 


"A medicina fez, desde há um século, progressos sem parar, inventando aos milhares doenças novas."

Louis Scutenaire